29.7.08

a mandrágora

Realmente eu estava precisando de uma poção afrodisíaca teatral. Fui assistir "A Madrágora" do grupo Tapa na hora certa.

Toda hora. Nessa vida teatrante. Se põe em dúvida o seu papel. Pergunta-se se vale a pena. São tantos os pisões nos calos que uma hora você cansa. Chora. Pensa em desistir. Pensa em mudar de caminho. Tem medo. Muito medo.

É preciso tomar muitas doses de mandrágora para recobrar os ânimos.

Essa montagem está em cartaz desde 2005. Premiada. Aclamada. Nunca tive a oportunidade de ir. Mas essa era a hora certa pra mim. Estava cabisbaixa. E me deparei com um oásis. Dentro de um shopping. Teatro Nair Belo. Saudosa.

Ali eu vi uma comédia. Bem trabalhada. Muito bem trabalhada. O resultado de um trabalho de pesquisa. Não precisa me contar que foi um trabalho árduo. A limpeza de ações e propostas nos conta isso. E o resultado é de dar inveja. Tolentino é Tolentino.

Guilherme Sant'Anna. No papel de marido frouxo e traído. É a síntese de um bom trabalho de ator. Ali eu vi uma verdadeira construção de personagem. E dei risada. E me apaixonei. Pelos seus gestos. Seu andar. Maquiavél com certeza ficou feliz com a representação.

O teatro brasileiro agradece.


Guilherme Sant'Anna e Flavio Tolezani


mais informações: http://bocadecenacomunicacao.com.br/mandragora/

Um comentário:

Jéssica Miranda disse...

Fui assistir A Mandrágora, acho que em 2002 ou 2003, no teatro João Caetano, e achei simplesmente demais!
Bom saber onde eles estar em cataz, pois vale a pena ver de novo!
;D

 
eXTReMe Tracker